Dispositivo intrauterino e Sistema intrauterino

Dispositivo intrauterino

O que é?
É um pequeno dispositivo, normalmente em forma de “T”, que é introduzido na cavidade uterina, por um profissional de saúde.

Pode ser hormonal e é conhecido por Sistema Intrauterino (SIU). A hormona que contém é um progestativo semelhante à progesterona produzida pelo ovário.

Pode ser não hormonal e é conhecido por Dispositivo Intrauterino (DIU), contendo cobre em quantidade muito reduzida.

É muito eficaz e reversível. 

É uma forma de contraceção de longa duração.

Como atua?
O SIU contém um progestativo (Levonorgestrel) que se liberta diariamente no útero. Esta hormona provoca o espessamento do muco cervical, impedindo a passagem dos espermatozoides, e altera o endométrio (parede do útero), impedindo a fixação do ovo.

A quantidade de hormona que entra em circulação é muito baixa mas, em alguns ciclos, pode também inibir a ovulação.

O DIU contém cobre, razão pela qual se desencadeia uma resposta inflamatória que impede a entrada dos espermatozoides no útero, e altera o endométrio (parede do útero), impedindo a fixação do ovo.

Como se aplica?
 A colocação (e remoção) é feita por um médico, durante um exame ginecológico. É um procedimento simples e indolor, pelo que não é necessário anestesia.

Qual o nível de eficácia?
O nível de eficácia do DIU/SIU é muito elevado (99%).

Informações que deve ter presente na escolha deste método

Sobre o DIU:

  • Tem como vantagem não ser um método hormonal;
  • Os ciclos menstruais mantêm-se com intervalos semelhantes aos que a mulher estava habituada, antes da sua colocação; e
  • Pode existir um aumento das dores menstruais e do fluxo de sanguíneo durante a menstruação.

Sobre o SIU:

  • A maioria das mulheres tem alteração da regularidade das menstruações, o que não traz complicações à saúde. Pode acontecer: não ter menstruações durante o uso do SIU; ter perdas de sangue escassas e esporádicas; ter menstruações mais ou menos regulares e escassas.
  • As perdas de sangue persistentes mas escassas são mais frequentes nos primeiros meses após a colocação do SIU e tendem a desaparecer. 
  • Pode ser usado como contracetivo e simultaneamente tratamento para as mulheres com menstruações muito abundantes e dolorosas.

Estas alterações são próprias do SIU/DIU, não são um problema e revertem quando ele é retirado.

O que é importante saber?

  • Não interfere no relacionamento sexual;
  • As alterações na menstruação são próprias do SIU/DIU, não são um problema e revertem quando ele é retirado;
  • É um método muito seguro e reversível;
  • Não diminui a fertilidade, ou seja, não faz com que seja mais difícil engravidar, quando é retirado;
  • Pode ser retirado em qualquer altura, havendo risco imediato de gravidez;
  • Tem uma longa duração de ação, pode variar entre 5 e 7 anos;
  • Não precisa de pensar diariamente na sua contraceção;
  • É um método que pode ser utilizado por mulheres em qualquer idade; e
  • A eficácia não é alterada com o uso de outros medicamentos, exceto no caso do DIU de cobre, a toma prolongada de anti-inflamatórios interfere com o efeito contracetivo.

Quem não pode usar o DIU/SIU?

As mulheres com:

  • Doença inflamatória pélvica ativa ou recorrente;
  • Suspeita de cancro uterino;
  • Alergia ao cobre;
  • Doença de Wilson (doença do fígado relacionada com o cobre); e
  • Anomalia da cavidade uterina.

Este método contracetivo não protege das Infeções Sexualmente Transmissíveis (IST).