Escabiose

A escabiose, mais conhecida como sarna, é causada por um parasita microscópio mais concretamente um ácaro, chamado Sarcoptes scabiei var. hominis, que vive na pele humana.

Sabias que:

É uma infeção cutânea contagiosa, que provoca uma erupção na pele com um padrão característico, causando intensa comichão. Esta infeção afeta pessoas de todas as classes socias e etnias, mas o risco de surto é mais elevado nas instituições, populações carenciadas e pessoas imunodeprimidas.

Como se transmite?

A escabiose (sarna) transmite-se através do contacto direto:

  • Com a pessoa infetada, contacto com a pele lesada durante as relações sexuais
  • Com as roupas infetadas - vestuário, toalhas, lençóis (o ácaro pode permanecer 1 a 2 dias nestes materiais)

Como se manifesta?

Os sintomas são habitualmente intensos e, sem tratamento, podem prolongar-se durante várias semanas.

A doença manifesta-se como:

  • Pequenas borbulhas (pápulas), pele vermelha e arranhada.
  • Por vezes são visíveis pequenas linhas elevadas desenhadas na pele (galerias onde se desloca o parasita).
  • As lesões localizam-se em qualquer parte do corpo, mas nos adultos são mais frequentes entre os dedos das mãos, punhos, mamas, nádegas e pénis.
  • O principal sintoma da doença é o prurido intenso de predomínio noturno, sendo frequente a formação de escoriações (pele arranhada) nas zonas de pele com lesões.

Na escabiose não tratada pode ocorrer uma infeção secundária das lesões, por bactérias, o que complica a doença.

Qual o período de incubação?

Período de incubação é aproximadamente 6 semanas.

Como se diagnostica?

O diagnóstico é clínico e baseia-se na avaliação dos sintomas, na apresentação e localização das lesões cutâneas. Em caso de dúvida podem ser recolhidas amostras das lesões e realizada uma observação ao microscópio para confirmar a presença do ácaro.

Como se trata?

O tratamento é realizado de acordo com a indicação médica, com a aplicação na pele de loções ou cremes inseticidas, próprios para matar o parasita.

Os/As parceiros/as sexuais e os membros do agregado familiar devem ser observados/as e tratados/as em simultâneo, mesmo que não apresentem sintomas.

As grávidas devem falar com o/a médico/a acerca do seu estado, pois o tratamento a realizar é diferente.

Como se previne?

Não existe um medicamento para prevenir esta infeção, mas existem algumas medidas complementares ao tratamento e que visam prevenir a transmissão da escabiose (sarna), nomeadamente em casa:

  • Lavar toda a roupa usada com água a ≥ 60ºC de temperatura. Se a roupa não puder ser lavada a esta temperatura, deve ser lavada, secada ao sol e colocada num saco de plástico fechado pelo menos duas semanas,
  • Mudar os lençóis após efetuar o primeiro tratamento.
  • Após o tratamento a pele pode ficar irritada, devendo por isso ser hidratada diariamente,

Se os sintomas se mantiverem após 2 semanas, é importante ir novamente ao/à médico/a,
Evitar o contacto direto com pessoa que tenha escabiose e com objetos ou materiais possivelmente infestados (roupa, toalhas, lençóis),

O uso do preservativo não previne a transmissão desta infeção.

Deves evitar os contactos íntimos até terminares o tratamento.

Fonte:

http://www.spginecologia.pt/uploads/revisao_dos_consensos_em_infeccoes_v...

https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-infecciosas/escabiose-sarna/

Santiago, F. e Januário, G. (2017). Escabiose: Revisão e Foco na Realidade Portuguesa. Revista Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia 75 (2)

Tavares, M. e Selores M. (2013). Escabiose: recomendações práticas para diagnóstico e tratamento. Nascer e Crescer – Revista de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto, vol. XXII, (2)

https://www.spdv.pt/_grupo_para_o_estudo_e_investigacao_das_doencas_sexu...

https://www.saudecuf.pt/mais-saude/artigo/sarna-humana-como-diagnosticar